Site Loader
Centro Empresarial Brasília, Bloco B, Sala 310, SRTVS – Brasília- DF.
Centro Empresarial Brasília, Bloco B, Sala 310, SRTVS – Brasília- DF.

Análise da gestão municipal da educação a partir do Quadrante de Performance: é possível ser eficiente e ter bom desempenho
Alexandre Maduro-Abreu
Kayton Ávila
Guadalupe Sátiro

Na sequência de estudos realizado pelo I3GS, analisamos, a partir do Quadrante de Performance, de Maduro-Ávila, o comportamento dos municípios a partir da relação entre eficiência e o desempenho na gestão municipal da educação. Os eixos de desempenho e eficiência variam entre 0 e 1. O corte entre as ordenadas se dá em 0,8, ou seja, os municípios que têm Alta Performance (quadrante superior direito) devem produzir ao menos 80% do que poderiam (eficiência), em relação ao seus benchmarks e alcançar, no mínimo, 80% do desempenho possível.

Para auferir a eficiência, utilizamos um índice de eficiência da gestão da Educação municipal (IEfi-Educação/I3GS/2017) e para o desempenho, utilizamos o IDEB (estandardizado) (INEP/2017). Os resultados encontrados, conforme Figura 1, demonstram que grande parte dos municípios compõem o quadrante de Baixa Performance (inferior esquerdo). Isto é, apresentam ineficiência e desempenho abaixo de 80% na gestão da educação municipal, do Ensino Fundamental.

Figura 1 – Quadrante da Performance – relação da eficiência com o desempenho na gestão municipal da educação.

Por outro lado, 22 municípios (ver Tabela 1) demonstraram que é possível ser eficientes e, simultaneamente, ter um bom desempenho. Destacamos o município de Serranópolis do Iguaçu – PR, que ocupa, atualmente, o primeiro lugar no ranque da performance da gestão municipal da educação por apresentar, ao mesmo tempo, eficiência (1) e maior desempenho do País (1 – estandardizado, equivalente à nota 8,70 no IDEB), conforme demonstra o Gráfico 1.

O município de Sobral – CE ocupa a segunda posição em nosso ranque, com um resultado de eficiência plena e desempenho alto. Os municípios de Ribeirãozinho – MT (3° colocado); Taguaí – SP (4° colocado); Bom Sucesso do Sul – PR (5° colocado); Milhã – CE (7° colocado) e Quatiguá – PR (8° colocado) apresentam esse mesmo padrão de eficiência plena e alto desempenho no IDEB.

 

Gráfico 1 – Ranque dos municípios brasileiros com alta performance – relação da eficiência com o desempenho na gestão municipal da educação.

Esses resultados demonstram que é possível fazer mais (maior desempenho) com menos recursos (maior eficiência). Experiências como a desses 22 municípios devem ser não só reconhecidas como estudadas e replicadas. O compromisso do I3GS é fazer com que o Brasil avance na gestão pública com um alto padrão de performance.

Acompanhe também os nossos shotcases!

Tabela 1 – Municípios localizados no Quadrante de Alta Performance

Post Author: admin

One Reply to “Análise da gestão municipal da educação a partir do Quadrante de Performance: é possível ser eficiente e ter bom desempenho”

  1. Excelente post…..infelizmente temos apenas 22 municípios com performance…………isto é um absurdo. Para onde vai o dinheiro destas prefeituras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

English EN Français FR Português PT